A segunda tarefa, dentro das Etapas da Iniciação— Denunciar a natureza sombria

Nessa parte da história, a família d a madrasta má e detestável  entra no mundo de Vasalisa, tornando sua vida uma desgraça. São as seguintes as tarefas desse período:  Aprender ainda com maior conscientização a largar a mãe excessivamente positiva; Descobrir que ser boazinha, que ser gentil e simpática não fará a vida florir. (Vasalisa torna-se escrava, mas isso de nada adianta.); Vivenciar  diretamente a própria natureza sombria, especialmente os aspectos exploradores, ciumentos e rejeitadores do self (a madrasta e suas filhas); Incorporar esses aspectos; Criar o melhor relacionamento possível com as piores partes de si mesma; Deixar acumular a tensão entre quem se aprendeu a ser e quem se é realmente; Trabalhar, afinal, no sentido de deixar morrer o velho self para que nasça o novo self intuitivo.

A madrasta e suas filhas representam elementos pouco desenvolvidos mas provocativamente perversos da psique. Trata-se de elementos sombrios, ou seja, de
aspectos que são considerados indesejáveis ou inúteis pelo ego, sendo, portanto, relegados às trevas. O material da sombra pode ser muito positivo, já que muitas vezes os talentos da mulher são também empurrados para as trevas. No entanto, o material sombrio negativo também pode ser útil, como veremos, pois quando ele irrompe e nós finalmente identificamos esses aspectos e suas fontes, tornamo-nos mais fortes e mais sábias.

Neste estágio da iniciação, a mulher vê-se acossada por exigências banais da sua psique que a exortam a atender qualquer desejo de qualquer um. A obediência provoca uma descoberta chocante que deve ser registrada por todas as mulheres. Ou seja, a de que ser nós mesmas faz com que nos isolemos de muitos outros e, entretanto, ceder aos desejos dos outros faz com que nos isolemos de nós mesmas. É uma tensão angustiante e que precisa ser suportada, mas a escolha é clara.

Vasalisa é privada dos seus direitos por herdar uma família que não tem condições de compreendê-la ou de apreciá-la, e por ser herdada por essa família. No que lhe diz respeito, ela é desnecessária. A família a odeia e a insulta. Tratam-na como A Estranha, aquela que é indigna de confiança. Nos contos de fadas, o papel do estranho ou o do proscrito é geralmente desempenhado por quem está mais profundamente ligado à natureza conhecedora.
A madrasta e suas filhas podem ser consideradas criaturas inseridas na psique da mulher pela cultura à qual ela pertence. A família da madrasta na psique é diferente da família da alma, por pertencer ao superego, aquele aspecto da psique que é estruturado de acordo com as expectativas — saudáveis ou não — de cada sociedade em particular no que diz respeito às mulheres. Essas camadas e injunções culturais — ou seja, do superego  — não são vivenciadas pelas mulheres como se emanassem da psique do Self da alma, mas dão a impressão de vir de algum ponto lá fora, de alguma outra fonte que não é inata. As camadas culturais e do superego podem ser muito positivas ou muito prejudiciais.
A família da madrasta de Vasalisa é um gânglio intrapsíquico que intercepta o nervo da vitalidade. Elas se apresentam como um coro de megeras irredutíveis que provocam a menina. “Você não sabe fazer isso. Você não é boa nisso. Você não tem a coragem necessária. Você é tola, sem graça, vazia. Você não tem tempo. Você só é boa para as coisas simples. Só se permite que você faça esse tanto e nada mais. Desista enquanto ainda pode.” Como Vasalisa ainda não tem consciência plena do seu poder, ela permite esse obstáculo perverso na sua vida. Para que ela reconquiste sua vida, algo de diferente, algo de revigorante precisa acontecer.

O mesmo vale para nós. Podemos ver no enredo que a intuição de Vasalisa a respeito do que está acontecendo à sua volta é extremamente superficial, e que o pai da psique também não percebe o ambiente hostil. Ele é bom demais e não dispõe de desenvolvimento intuitivo próprio. É interessante observar que as filhas que têm pais ingênuos com freqüência levam muito mais tempo para acordar.
Nós também sofremos interceptação quando a madrasta que existe em nós e/ou à nossa volta nos diz que, para começar, não valemos muito e insiste em que nos concentremos nas nossas falhas, em vez de perceber a crueldade que gira ao redor —  seja dentro da psique, seja dentro da cultura. Mesmo assim, ver alguma coisa a fundo ou perceber tudo o que possa estar oculto exige intuição bem como força para suportar o que se vê. Como Vasalisa podemos tentar ser gentis quando devíamos ser espertas. Podemos ter sido ensinadas a pôr de lado o  insight penetrante com o objetivo de não criar problemas. Contudo, a recompensa por ser boazinha,em circunstâncias repressoras, é a de ser mais maltratada. Embora a mulher sinta que, se for ela mesma, estará se afastando dos outros, é exatamente essa tensão psíquica que é necessária para criar alma e promover mudanças.
É assim que a madrasta e suas filhas conspiram para mandar Vasalisa embora. Elas tramam em segredo. “Entre na floresta, Vasalisa, vá até Baba Yaga e, se você sobreviver, há-há — o que não acontecerá —, então talvez nós a aceitemos de volta.”
Essa idéia é de importância crítica porque muitas mulheres ficam emperradas no meio desse processo de iniciação  — como que suspensas de uma argola pela cintura.
Embora exista um predador natural na psique, aquele que diz, “Morra!”, “Droga!’, e “Por que você não desiste?” num estilo bastante automático, a cultura na qual a mulher vive e a família na qual foi criada podem exacerbar dolorosamente aquele aspecto natural e moderado que diz não na psique.
Por exemplo, mulheres criadas em famílias que não demonstram aceitar seus talentos costumam tomar nas mãos empreendimentos extraordinariamente grandes, repetidas vezes, sem saber por que motivo agem assim. Elas acham que precisam ter três doutorados, que precisam ficar penduradas do Monte Everest de cabeça para baixo, ou que devem realizar todo tipo de empreitada perigosa, demorada e dispendiosa para tentar provar às suas famílias que têm valor. “Agora, vocês me aceitam? Não? Está bem (suspiro), vejam só essa.” É claro que os gânglios da família da madrasta nos pertencem, não importa de que modo eles tenham  chegado a nós, e é nossa função lidar com eles com energia. Mesmo assim, podemos perceber que, para que continue o trabalho profundo, a tentativa de provar nosso valor ao coro de megeras enciumadas é em vão e, como veremos, na realidade impede a iniciação.
Vasalisa realiza os serviços domésticos de rotina sem se queixar. A submissão sem queixas é de aparente heroísmo, mas na verdade gera cada vez mais pressão e conflito entre as duas naturezas opostas, a boa de mais e a exigente demais. Como o conflito entre o excesso de adaptação e a manutenção da identidade, essa pressão acumula-se para chegar a um fim adequado. A mulher que está dividida entre essas duas atitudes está no caminho certo, mas precisará dar os passos seguintes.

Na história, a família da madrasta suga de tal maneira a força psíquica que, através das suas maquinações, o fogo se extingue. A essa altura, a mulher começa a perder seu norteamento psíquico. Ela pode sentir frio, solidão e uma disposição a fazer qualquer coisa para trazer de volta a luz. É esse exatamente o tranco que a mulher boa demais precisa levar para continuar sua introdução ao seu próprio poder.
Poder-se-ia dizer que Vasalisa tem de ir ao encontro da Grande Megera Selvagem porque precisa de um bom susto. Temos de abandonar o coro de detratoras e mergulhar na floresta. Não existe meio que nos permita ir e ficar ao mesmo tempo.
Vasalisa, como nós, precisa de alguma luz de orientação que diferencie para ela o que é bom do que não é. Ela não poderá crescer se ficar parada servindo de saco de pancadas para todos. As mulheres que tentam tornar invisíveis seus sentimentos mais profundos estão se entorpecendo. A luz se extingue. É uma forma dolorosa de vida latente.
Inversamente, e talvez com um toque de perversidade, quando o fogo se apaga, isso ajuda a despertar Vasalisa da sua submissão. Ela é levada a abandonar um velho estilo de vida e a entrar com passos trêmulos numa nova vida, baseada em conhecimentos interiores mais antigos, mais sábios.

Mulheres Que Correm Com Lobos, de Clarissa Estés.

Foto: Grover Webb

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s