Darryl Anka – A Arte da Canalização – workshop pt 6

(Continuação da apresentação dos alunos)

” EU…” Sim? “Eu gostaria de abrir meu canal para ficar mais animada e melhorar a minha vida e daqueles com quem me relaciono”. Ok, obrigado.

” Eu sou clariaudiente há 4 anos e isso revolucionou minha vida, reverteu tudo em uma espiral que foi tão realizadora, tão rica e eu fiquei comprometido com a ideia de alguma forma poder expandí-la naturalmente e fazer tornar-se um presente tudo o que eu tenho, o máximo que eu puder usar as ferramentas naturais de forma coerente,  de qualquer forma que eu puder fazer isso, qualquer formato que puder criar para encorajar isso estou 1000% dentro, e sempre confiei muito em seu trabalho e ter você fazendo  isso em Las Vegas …meus próprios ganhos acontecem mais em sua presença, então…” É a sua crença. Ok, obrigado.

Eu vou fazer algumas perguntas sérias e gerais que vocês responderão intimamente. Terão essas discussões consigo mesmos, respeitando o seu tempo, pois são coisas que vocês podem precisar considerar. Tenho certeza que não posso relacionar outras questões para perguntar-lhes antes de fazer-lhes essas. E são coisas como…pergunte a si mesmo…é um interessante exercício para ser feito outras vezes considerando as respostas que acabaram de dar, no sentido de desenvolver algum nível de certeza em relação à direção que vocês acham que estão seguindo.

E a primeira pergunta é: Como você sabe? Como você sabe que é essa a direção que quer seguir?  Essa pergunta vai ajudá-los a se aprofundarem e descobrir de onde vêm  esse tipo de informação, ou esse tipo de sentimento e isso faz parte do primeiro nível de exploração sobre o que está acontecendo e vai lhes ajudar a abrir o “conduíte”. Funciona na verdade como uma pergunta de auto-referência.

Agora que fizeram uma afirmação e se ouviram fazê-la, “é por isso que estou aqui, isso é o que eu quero fazer”. Perguntem a si mesmos “como você sabe disso?”

Isso pode ser levado para o lado positivo ou negativo,  dependendo de vocês e da expectativa que aconteça, sabendo que existe a expectativa negativa, e também a ideia positiva da pergunta “O que você quer? o que você quer que aconteça a partir de tudo isso?O que tem visualizado, imaginado, para quê acha que isso serve”

Eis uma outra pergunta muito boa: “Você se sente bem em sentir-se bobo em relação à forma como tudo pode acontecer?” Pois algumas vezes pode acontecer de tudo se realizar de uma forma bastante inesperada e algumas vezes você poderá se sentir muito bobo, mas tem que perceber que terá de assumir.

E batendo na mesma “tecla”, você está tranquilo em se sentir diferente? “Diferente ” no sentido de se diferenciar daquilo que a maioria das pessoas acha ou supõe ser o “normal”. Em muitos casos, não naqueles mais informais em que um “canal” se destaca por ser diferente, mas em alguns casos em que você não sabe o quão longe pode chegar com isso, e tem que se acostumar que as pessoas vão olhar para você de forma diferente e terá que se sentir tranquilo com isso, se quiser que tudo continue.

“Vocês estão conscientes, com o melhor do seu conhecimento, e prontos para qualquer que seja aquilo que julgarem como a responsabilidade resultante da “canalização”? Em qualquer coisa que isso significar para vocês, ou seja , não é um fardo, não é uma culpa, mas é uma responsabilidade pois há responsabilidade e consequência envolvida em tudo o que vocês fizerem. Então você está preparado e pronto para a responsabilidade que acredita resultar da “canalização”?

Outra pergunta, nunca se sabe o que acontecerá com vocês…..”Você tem a intenção de viajar ou se deslocar, se essa for a direção que a sua canalização o animar a seguir?” Obviamente, quando se encontra algo que lhe parece excitante , geralmente não se tem problemas em segui-lo, mas algumas vezes poderão se surpreender em relação à direção à qual o seu excitamento pode o conduzir, e poderão hesitar. E poderão ficar pensando se realmente querem fazer isso ou não, e se pegarão questionando isso nessa altura dos acontecimentos. E vãoperceber que tudo isso envolve mudanças profundas, não só no seu comportamento pessoal, mas no seu ambiente todo, até onde você pode chegar com isso. Algumas pessoas acham que você terá que ir para outros lugares atender as pessoas, e você terá que ir, acreditando no trabalho que faz.

“Você quer fazer a canalização pela prática em si , sem necessiar que os outros aceitem a informação ou mesmo que acreditem na canalização? Você está fazendo isso só porque é o que você é ou porque há outra razão?”

E a última e talvez a mais importante, pois diz respeito ao processo completo em si: “você está querendo mudar?”.

Agora eu vou abordar algumas perguntas que podem ser mais relacionadas a “negócios” do que ao “lado pessoal”  cuja maioria vai relacionar-se com a ideia de ser um “canal vocal”, mas repito, nunca se sabe…

Primeira de todas : “você está interessado em fazer isso profissionalmente?” Pois pode acontecer, qualquer que seja o lugar para onde isso o leve.

“Você fica confortável com a ideia de cobrar pelos seus serviços?Por quê sim ou por quê não?” Sabem, um dos argumentos antigos e bem típicos que a gente escutava — talvez não escute mais tanto, hoje em dia — mas que aparecia muito era quando alguém estava lá ouvindo uma canalização e então dizia, bem irritada: “Por quê você está cobrando por “isso”? Essa informação devia ser de graça, todo mundo deve ter! ” Bem, é verdade, essa informação É de graça…então vá lá você conseguí-la sozinha.

Ou seja, as pessoas não “pagam por informações”, mas pagam pelo fato de que não estão se permitindo conseguí-las e querem que você faça o serviço de conseguí-las por elas. Então, por favor, não se confundam com essa ideia de que a informação deveria ser “de graça” e que você não deveria cobrar por prover esse tipo de serviço.

“Qual é o seu entendimento sobre as leis dos direitos autorais, relacionada às informações que você trouxer?” Quando as pessoas chegam a isso, nossa explicação é que desde 1978 , a Lei dos Direitos Autorais estabelece claramente que qualquer coisa que esteja com sua forma fixada, assim que for originada, está automaticamente protegida pelos Direitos Autorais e pertence unicamente àquele que a originou. Então, aplica-se a qualquer coisa que estiver em fita, que esteja escrita, ou qualquer forma que a fixe, você tem direito aos Direitos Autorais. É assim, você possui todos os direitos. Se for escrita, você tem que licenciá-las especificamente , em cada direito que possui . Se por exemplo, este rapaz aqui faz uma fita dessa aula,  como está numa fita, está protegida pelos Direitos Autorais, eu tenho o direito sobre ela. Se você me disser “eu quero publicá-la”, eu posso dar uma licença em relação a esse direito para você,mas terei de fazê-lo por escrito, eu assino e você assina. No entanto, se eu não dei a você a licença para a distribuição, você só poderá publicá-la, não distribuí-la. Uma coisa não envolve a outra, a Lei Dos Direitos Autorais é bem específica para cada processo único de disseminação de informação e cada partezinha tem que ter licença, completa, separada e por escrito.

Alguma dessas perguntas lhes parece desconfortável ou lhes traz à tona outras questões e medos? É algo também a se levar em conta.

(Fim da parte 6. Continua…)

Tradução minha (Flávia Criss), Jan/2010.


2 comentários sobre “Darryl Anka – A Arte da Canalização – workshop pt 6

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s