Descobre a obra de tua vida

Uma maneira de descobrir a obra de tua vida é observando o que gostas de fazer e o que fazes de forma natural, fixando nas aptidões que gostas de empregar. A obra de tua vida implicará o uso destas aptidões. Uma vez identificadas, podes concentrar-te em sua maior utilização e na atração daquelas oportunidades que dar-te-ão dinheiro e permitir-te-ão te manter com elas. Também podes encontrar a maneira de utilizar estas aptidões em outras áreas de tua vida, fazendo de todas tuas atividades uma expressão de tua obra.

Tudo o que gostas de fazer — todo o trabalho, aficção e atividade qualquer– implica o uso de determinadas habilidades. Podes descobrir quais são te fazendo perguntas.

Que é o que gostas de fazer em teu trabalho? Quais são tuas aficções? Que atividades comunitárias empreendes porque te dão prazer? Que atividades diárias te fazem te sentir alegre e vital? Gostas de cantar, dançar ou pintar? Interessa-te a escrita, o espiritismo, os conselhos ou a expressão corporal? Que é o que mais gostas? Ajudar, curar, ensinar ou fortalecer aos demais? Negociar, dirigir, organizar, estabelecer redes de comunicação, etc.? Sentes-te atraído pelo trabalho de empresa, a gestão de dinheiro, as produções artísticas ou a investigação científica? Queres desenvolver tua imaginação e criatividade ou tua capacidade de observar e chegar a conclusões? Queres trabalhar com computadores, equipas técnicas e maquinaria ou com informação numérica e estatística e análise de resultados? Precisas um espaço criativo ou preferes um trabalho prático e racional? Gostas de trabalhar com tuas mãos ou tua voz? Preferes comunicar com a gente diretamente ou por telefone?

Recolhe-te e pede algumas ideias a respeito das aptidões que gostas de utilizar e os talentos que expressas com naturalidade.

Uma mulher deu-se conta de que passava todos seus momentos livres cortando o cabelo de suas amigas e as ajudando a melhorar seu aspecto. Gostava de trabalhar com as mãos e estar cercada de gente. Em um dia, ocorreu-se-lhe que a obra de sua vida consistia em ajudar às pessoas a se sentir bem consigo mesmas melhorando seu aspecto. Sem deixar seu trabalho, começou a fazer uns cursos de beleza pela tarde. No final das contas, pôde despedir de seu emprego e abrir seu próprio salão de beleza com sucesso.

Faço honra a minhas habilidades e aptidões especiais e utilizo-as

Pode ser que uma de tuas maiores aptidões seja aconselhar pessoas. Dá-se-te bem ajudar às pessoas a encontrar as soluções a seus problemas e criar uma nova visão de si mesmas. Podes achar o modo de empregar estas aptidões seja qual seja teu trabalho e realizar a obra de tua vida mas plenamente. Ou estas poder-te-iam conduzir a uma nova profissão, inteiramente dedicada ao aconselhar. Quantas mais oportunidades tenhas para realizar as atividades que amas, maior será tua contribuição e a abundância que repercutir-te-á.

Uma mulher amava aos cães, e sua habilidade à hora de tratá-los converteu sua casa em um refúgio favorito para os cães de muitos de seus amigos que se iam de viagem. Deu-se conta de que esta capacidade de relacionar com os animais lhe dava mais prazer que qualquer outra aptidão sua, e abriu um negócio de cuidados e asseios caninos. Também viu que tinha o talento de ajudar às pessoas a se relacionar melhor com seus animais domésticos e encontrou muitas oportunidades para o fazer. Já que amava tanto seu trabalho e soube empregar seus dons superiores, iluminou a vida de muita gente e de seus animais e ganhou bem a vida, ao mesmo tempo.

Tua atividade atual encerra em si a semente da obra de tua vida. Como já terás descoberto, a cada vez que inicias um trabalho novo empregas muitas de tuas habilidades já desenvolvidas. É como se cada emprego te preparasse, de algum modo, para o seguinte. Toda aptidão adquirida e que gostas de empregar será importante em teu caminho superior. Talvez não entendas porquê tens aceitado um trabalho ou desenvolvido um talento particular, mas as aptidões desenvolvidas ser-te-ão valiosas. Confia que tua atividade atual te ajuda a adquirir as habilidades que utilizarás para realizar a obra de tua vida.

Duane, por exemplo, descobriu que sua carreira como geólogo, aparentemente muito diferente de seu empenho por ajudar pessoas, implicava o uso de muitas aptidões similares. Sendo geólogo, gostava de suas frequentes viagens de avião para observar o solo e cartografiar as falhas sísmicas. Isto implicava o reconhecimento visual e posterior interpretação de pautas detalhadas, e a seleção dos dados importantes dentre todo um conjunto de informação. Era uma habilidade desenvolvida ao longo de muitas práticas. Foi-lhe interessante constatar que a essência desta habilidade era muito similar à de sua capacidade de percepção clarividente das pautas energéticas humanas, que também requeria o reconhecimento visual e a interpretação dos detalhes e a capacidade de distinguir os dados importantes dos que não o são.

Neste mesmo momento, estás a desenvolver aptidões que irão poder ser úteis a ti mais adiante.

À Sanaya,  encantava passar horas inteiras fazendo crochê. Depois de um tempo, deu-se conta de que esta aficção desenvolvia sua capacidade de se recolher e conseguir um estado de relaxamento e meditação. Atualmente, emprega estas aptidões em seu trabalho como médium.

Descubro a obra de minha vida olhando em meu interior mais que a meu exterior

Não tentes descobrir que fazer com tua vida olhando ao mundo e perguntando “Que posso fazer pelo mundo?” Olha-te a ti mesmo e pergunta “Que é o que gosto e que desejo fazer? Que coisas me atraem? Que coisas me estimulam? Quais são os temas  que trato em minha vida? O que pode acordar meu entusiasmo?”

Um homem queria abrir uma loja e ainda  não tinha nenhum tipo de experiência. Elegeu o tipo de negócio observando que comércios estavam indo bem ao invés de que produtos poderia se interessar em vender. Decidiu abrir uma sorveteria, ainda que os sorvetes não lhe interessassem e nem tivesse experiência no gênero. Seu negócio não lhe proporcionava alegria e não tinha muitos clientes. Ainda que trabalhava longas jornadas, a loja mal cobria suas despesas. Finalmente, pediu o conselho de seu interior sobre como melhorar seu negócio e a mensagem foi que tinha que vender produtos em que estivesse interessado.

Começou a fixar em sua vida, observando as coisas que lhe interessavam e com as que estava familiarizado. Recordou que gostava de correr e que os esportes sempre lhe tinham fascinado. Recordou também os problemas que costumava ter para encontrar sapatilhas e demais prendas desportivas, se vendo obrigado a percorrer muitas lojas para poder comprar o que queria. Decidiu que encantar-lhe-ia abrir uma loja especializada em sapatilhas e gênero para corredores, coisa que fez assim que vendeu sua sorveteria.

Sua loja resultou em grande sucesso e ele amava seu trabalho.

Extraído de “Como criar dinheiro”,  por Sanaya Roman e Duane Packer. p.57

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s