DOAÇÃO E PROSPERIDADE

Algum tempo atrás, um homem disse-me que fazia freqüentemente doações à sua igreja, mas que não prosperava.
Vim a descobrir, entretanto, que ele não fazia suas doações semanais integralmente, porquanto, ao fazê-las, julgava-se privado de parte de seus rendimentos. Tal comportamento constituía uma restrição menta. Após nosso encontro, ele mudou
de atitude mental, passando a fazer suas doações com alegria e total desprendimento; em pouco tempo, verificou que a “lei do aumento” trabalhava também em seu benefício.
Expliquei-lhe ainda que a doação, conforme a entende a Bíblia, não consiste em dar dinheiro a várias instituições de caridade ou religiosas, muito embora tal prática seja das mais elogiosas e dignas de louvor. Quando o dinheiro é o objeto da doação, esta deve ser feita com a finalidade de divulgar as verdades de Deus e à instituição da qual se recebe inspiração e auxílio espirituais.
Retrucou-me, então, agradecido: “Aí está a explicação de que necessitava; agora entendo perfeitamente o significado da doação”.

DOAÇÃO REVERSA

Um conhecido meu queixou-se amargamente, dizendo: “Todos os domingos faço doação de grandes importâncias a grupos religiosos de Nova York e, não obstante, jamais consigo equilibrar as despesas”.
Sua atitude mental, conforme vim a descobrir, era a seguinte: “Não espero nem tampouco desejo nada em retribuição”.
A Bíblia diz que, se o homem escolher uma coisa, essa coisa virá a ser sua, pois assim transmite uma ordem ao seu subconsciente que implicitamente a obedece.
Expliquei-lhe também que estava neutralizando seu lado bom, algo como se tivesse colocado uma semente no solo e a retirasse pouco depois, impedindo dessa forma a sua germinação.
Esse homem começou então a entender que, se o agricultor deixasse a semente no solo, automaticamente viria a ter uma colheita; isto é, que a “lei do solo” e a “lei da mente” são idênticas.
Passou então a esperar que a “lei da opulência” viesse a contemplá-lo, vindo sua condição financeira a melhorar consideravelmente.

A SABEDORIA EM DOAR

É preciso ser muito cuidadoso ao fazer doações a parentes ou aos pobres. Não há mal algum em ajudá-los a vencer dificuldades, mas tenha cuidado em não privá-los da iniciativa ou do incentivo de resolver seus próprios problemas de acordo com a sua
capacidade. Quando o auxílio é obtido com muita facilidade e freqüência, a pessoa torna-se dependente e, em última instância, conformada e lamuriante. A melhor coisa que se tem para dar-lhes é o conhecimento da “lei do pensamento auspicioso”.
Assegure-se, ao dar alguma coisa, de que não está prejudicando ou impedindo os outros de expressarem e desenvolverem os seus talentos e habilidades ainda não revelados.
Freqüentemente, o beneficiário de uma doação pouco inteligente adota uma atitude de ressentimento contra o suposto benfeitor, por sentir-se dependente e por perceber a sua piedade ou seus sentimentos com relação a seu estado de privação. Ele tem consciência de que devia ser tão próspero e bem sucedido quanto você e sente-se culpado por ser um parasita; tal sentimento acarreta-lhe um profundo complexo de culpa e deixa-o ressentido com o seu benfeitor.
Transmita-lhe o conhecimento das leis da mente e dos caminhos do espírito, que não mais aceitará qualquer coisa, seja uma colher de sopa ou um terno velho, pois assim você lhe terá revelado a sua própria capacidade de alcançar o seu tesouro interior, no qual poderá abastecer-se de todas as riquezas que lhe foram dadas pelo Ser Infinito desde as origens dos tempos.

A DOAÇÃO PERMANENTE

Pratique a doação permanente. Deixe extravasar e irradie para todas as pessoas amor, bondade, amizade, alegria, confiança, entusiasmo e boa vontade. Não é possível dar-se apenas um décimo dessas coisas, pois elas não podem ser divididas ou multiplicadas, por serem eternas e ilimitadas no tempo e no espaço. Essas qualidades e atributos de Deus existentes em seu íntimo jamais envelhecem; além disso, não existe carência de
amor, bondade, beleza, paz alegria, suavidade e sinceridade, por emanarem igualmente de Deus e serem também eternas, intermináveis e infinitas. Não se pode considerar aquilo que é autêntico à base de porcentagem, nem mesmo a riqueza. Mas a riqueza pode fluir para você na medida das suas doações.
Deixe extravasar as riquezas dos céus; dê coragem, fé, esperança, apreço e gratidão e, na medida que o conceder, Deus o cumulará com usas benesses, sob forma financeira bastante tangível.
“Trazei o dízimo todo à casa do tesouro, para que haja mantimento em minha casa e provai-me nisto, diz Jeová dos exércitos, se não vos abrir eu as janelas do céu e não derramar sobre vós uma bênção até que não haja mais lugar para a recolherdes”. (Malaquias 3:10).

SÍNTESE DO CAPÍTULO VI

Pontos importantes a relembrar

1. Praticar a lei dos dízimos significa dedicar uma parcela de seus rendimentos a finalidades verdadeiramente sagradas e infinitas: significa também depositar as crenças, convicções e auto-apreciações no seu tesouro interior, isto é, no seu subconsciente. Esse tesouro lhe dará recursos financeiros.

2. Use a filosofia dos dízimos para a consecução de relações humanas harmoniosas, admitindo que Deus age na mente e no coração dos outros e que existe uma solução harmoniosa e divina entre as pessoas.

3. Dedique um décimo do seu tempo à meditação e à oração antes de realizar uma preleção ou conferência. Deus o inspirará e maravilhas acontecerão em sua vida.

4. A transmissão de fé e confiança a outra pessoa é uma forma de utilização da filosofia dos dízimos. Faça-a saber que você crê e acredita nela sob todos os aspectos, que ela reagirá de forma correspondente.

5. A oração pode proporcionar-lhe beleza, sabendo que a beleza indescritível de Deus se manifesta através do seu ser e que outras pessoas sentem-se inspiradas e motivadas pelos seus trabalhos.

6. A oração pode dar-lhe amor, pelo reconhecimento de que o amor de Deus inunda a sua alma e pela irradiação de amor e boa vontade para todas as pessoas. Continue a proceder assim e muitos milagres ocorrerão em sua vida.

7. O amor e a boa vontade transmitidos aos outros lhe são retribuídos, multiplicados e ampliados, sob inúmeros aspectos, sendo um deles o dinheiro.

8. A doação livre, jovial, sincera e com um sentimento de abandono lhe proporcionará inevitavelmente riquezas fabulosas.

9. A doação deve ser generosa e seguida das seguintes palavras: “Concedo esta importância livremente e Deus a multiplicará extraordinariamente”.

10. A doação regular da importância que de coração se deseja dar lhe acarretará aumentos consideráveis e rápidos de rendimentos.

11. A doação feita visando a obtenção de recursos financeiros deve ser seguida da seguinte oração: “Deus é minha fonte invariável de suprimento, atendendo instantaneamente a todas as minhas necessidades: Suas riquezas fluem para mim de forma incessante, infatigável e interminável”.

12. Ao se fazer uma doação não deve haver restrições mentais ou sentimento de privação: a doação deve ser feita com jovialidade, com muitas benesses para todos.

13. Assim como um agricultor espera pela colheita, deve-se aguardar que a lei natural dos dízimos nos proporcione benefícios.

14. A melhor coisa que se pode dar a outrem é o conhecimento da “lei do pensamento auspicioso”, pois assim jamais necessitará de qualquer outra coisa na vida.

1001 Maneiras de Enriquecer, p. 58.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s