A MÃE PROSTRADA

Afinal, a mãe pata não agüenta mais a perseguição ao filhote que ajudou a pôr no mundo. O que é mais esclarecedor ainda é o fato de ela não conseguir mais tolerar o tormento a ela imposto pela comunidade quando tenta proteger seu filho “diferente”. E assim ela desiste. Ela exclama para o patinho que preferia que ele desaparecesse. E o filhote torturado foge.

Quando uma mãe desiste, isso significa que ela perdeu o sentido de si mesma.
Ela pode ser uma mãe perversamente narcisista que se sente no direito de ser criança também. É mais provável que  ela tenha sido isolada do Self selvagem e que tenha entrado em prostração, forçada por alguma ameaça real, de ordem psíquica ou física.
Quando as pessoas caem prostradas, elas geralmente caem em um dentre três estados emocionais: o de confusão, o de agitação (quando têm a impressão de que ninguém sente uma solidariedade adequada pela sua aflição) ou o de abismo (uma reencenação emocional de antigas feridas, muitas vezes frutos de uma injustiça inexplicada e não corrigida perpetrada contra elas ainda quando crianças).
O meio para forçar a prostração de uma mãe consiste em dividi-la emocionalmente. O método mais comum, desde o início dos tempos, foi o de forçar a mãe a escolher entre o amor ao filho e o medo do mal que a comunidade possa infligir a ela e ao filho se ela não respeitar as normas. Em  A escolha de Sofia, de William Styron, a heroína, Sofia, é prisioneira num campo de concentração. Ela está diante do comandante nazista com os dois filhos nos braços. O comandante a força a escolher qual das duas crianças deve viver e qual deve morrer, dizendo-lhe que, se não fizer essa escolha, as duas crianças serão mortas.
Embora seja inconcebível ser forçada a fazer uma escolha dessas, trata-se de uma opção psíquica que as mães foram forçadas a fazer há séculos. Cumpra as normas e elimine seus filhos, se não… E isso continua. Quando uma mãe é forçada a escolher entre o filho e a cultura, existe algo de repulsivamente cruel e irrefletido nessa cultura. Uma cultura que exija que se prejudique a própria alma para fazer cumprir as proibições é na verdade uma cultura muito doente. Essa “cultura” pode ser aquela em que a mulher vive mas, o que seria ainda mais prejudicial, ela pode ser a cultura que a mulher leva por aí e com a qual concorda dentro da sua própria cabeça.
Existem inúmeros exemplos literais de situações desse tipo em todo o mundo,sendo os exemplos mais hediondos encontrados na América, onde sempre foi tradição separar à força as mulheres dos seus seres amados e das coisas que amam.
Houve a longa e deplorável história da divisão forçada de famílias pela escravidão, nos séculos XVIII, XIX e XX.  Nos últimos séculos, houve a prescrição de que as mulheres entregassem seus filhos à nação em nome da guerra, e de que se sentissem felizes com isso.
Em várias épocas, houve costumes diferentes no mundo inteiro que ditavam que não se podia permitir à mulher amar quem amasse e do modo que desejasse.
Uma das repressões menos comentadas na vida da alma das mulheres está relacionada a milhões de mães solteiras ou de mães que nunca se casaram em todo o mundo e mesmo nos Estados Unidos, que, apenas neste século, foram pressionadas pêlos costumes culturais a esconder sua condição ou seus filhos, a matar ou entregar seus rebentos ou ainda a viver uma semivida com identidade falsa e como cidadãs desprezadas e indefesas.
Há gerações as mulheres aceitaram o papel de legitimação como seres humanos através do casamento com um homem. Elas estiveram de acordo com a idéia de que um ser humano pudesse não ser aceitável a menos que um homem dissesse o contrário. Sem essa proteção “masculina”, a mãe é vulnerável. É irônico, portanto, que na história do patinho feio o pai seja mencionado apenas uma vez. Isso ocorre quando a mãe pata está chocando o ovo daquele patinho. Ela se queixa do pai da sua prole: “Aquele safado não veio me visitar uma vez sequer.” Há muito tempo na nossa cultura, o pai — por infelicidade e pelo motivo que seja  — foi incapaz de ser de ajuda a quem quer que fosse e, o que é mais terrível, a si mesmo, ou não se dispôs a isso. Seria fácil afirmar que para inúmeras meninas selvagens, o pai foi um homem prostrado, apenas uma sombra que pendurava a si mesmo e ao seu casaco no armário todas as noites.
Quando a mulher tem um constructo de mãe prostrada dentro da sua psique e/ou da sua cultura, ela é indecisa quanto ao seu valor. Ela pode considerar que as escolhas entre cumprir exigências exteriores e as exigências da alma são questões de vida ou morte. Ela pode se sentir como um pária atormentado que não se encaixa em nenhum  lugar  — o que é uma sensação relativamente normal para a pessoa  “diferente”  — mas o que não é normal é ficar sentada chorando, sem fazer nada.
Devemos nos levantar e sair à procura do lugar a que pertençamos. Para quem é “diferente”, é sempre esse o próximo passo. E para uma mulher com uma internalização da mãe prostrada, esse passo é vital. Se a mulher tiver uma mãe prostrada, ela deve se recusar a se tornar outra mãe prostrada para si mesma.

Mulheres Que Correm Com Lobos, de Clarissa Pínkola Estés.

Foto: FngKestrel

2 comentários

    1. Ah, é muito rico ser uma mulher, isso com certeza…é de uma riqueza incomensurável, em todos os sentido. Eu acho que vou querer ser mulher mais uma vez na próxima vida…e vc?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s