Vasalisa, a sabida — As Etapas da Iniciação

No rito da velha deusa selvagem, Baba Yaga, são as seguintes as etapas da iniciação.

A primeira tarefa — Permitir a morte da mãe-boa-demais

No início do conto, a mãe está morrendo e deixa para a filha um legado importante.
As tarefas psíquicas desse estágio na vida da mulher são as seguintes: aceitar o fato de que a mãe psíquica protetora, sempre vigilante, não é adequada para ser um guia para a futura vida instintiva da pessoa (a mãe-boa-demais morre).
Assumir a realidade de estar só, de desenvolver a própria conscientização quanto ao perigo, às intrigas, à política. Tornar-se alerta sozinha, para seu próprio proveito; deixar morrer o que deve morrer. À medida que a mãe-boa-demais morre, a nova mulher nasce.

Na história, o processo de iniciação começa quando a mãe boa e amada morre. Ela não está mais lá para afagar o cabelo de Vasalisa. Na vida de todas nós, como filhas, surge uma hora em que a boa mãe da psique — aquela que nos serviu de modo correto e adequado em tempos passados — transforma-se numa mãe-boa-demais, aquela que, em virtude dos seus valores de proteção, começa a nos impedir de reagir a novos desafios e, portanto, de atingir um desenvolvimento mais profundo.
No processo natural do amadurecimento, a mãe-boa-demais deve se tornar cada vez mais rarefeita, deve definhar até que nos descubramos sós para cuidar de nós mesmas de um novo modo. Embora sempre mantenhamos uma essência do seu carinho, essa transição psíquica natural nos deixa sós num mundo que não é maternal  conosco. Mas espere aí. Essa mãe-boa-demais não é só o que ela aparenta ser. Debaixo da coberta, ela tem uma bonequinha para dar à filha.

Ah, existe algo da Mãe Selvagem por baixo dessa criatura. A mãe-boa-demais não pode, no entanto, cumprir plenamente esse papel porque ela é a mãe dos dentes-de-leite, a mãe abençoada que todo bebê precisa para dar os primeiros passos no mundo psíquico do amor. Portanto, mesmo que essa mãe-boa-demais não consiga acompanhar a vida da menina a partir de um certo ponto, ela trata bem sua filha. Ela abençoa a menina com uma boneca; e isso, como descobrimos, é na realidade uma grande bênção.

Esse dramático definhamento psicológico da mãe ocorre pela primeira vez quando a menina passa do ninho acolchoado da pré-adolescência para  a selva frenética da adolescência. Para algumas meninas, porém, o processo de desenvolver uma mãe interior nova, mais esperta — a mãe chamada intuição — está apenas pela metade nessa época, e as mulheres com uma formação desse tipo vagueiam anos a fio desejando profundamente a experiência completa da iniciação e se ajeitando da
melhor maneira possível.
Essa interrupção no processo iniciático da mulher ocorre por vários motivos, como por exemplo quando houve um excesso de problemas psicológicos no início da vida — quando não houve uma presença uniforme da mãe “suficientemente boa” nos
primeiros anos de vida.

A iniciação pode também ser suspensa ou ficar incompleta por não haver tensão suficiente dentro da psique  — a mãe-boa-demais tem a resistência de uma espantosa erva daninha e sobrevive, agitando suas folhas e superprotegendo a filha muito embora o texto diga, “Sai de cena, pelo lado esquerdo, AGORA.”

Numa situação dessas, as mulheres muitas vezes se sentem tímidas demais para seguir adiante e entrar na mata, oferecendo toda a resistência possível.
Para elas, bem como para outras mulheres adultas a quem os rigores da própria vida isolam e distanciam da sua vida profundamente intuitiva e cuja queixa muitas vezes é a de estarem extremamente cansadas de cuidar de si mesmas, existe uma cura eficaz e sábia. Uma retomada da investigação ou uma nova iniciação irá restabelecer a intuição profunda, independente da idade de uma mulher. E é a intuição profunda que sabe o que é bom para nós, o que precisamos em seguida  e chega a esse conhecimento com uma rapidez incrível… bastando que prestemos atenção ao que ela indique.

A iniciação de Vasalisa começa quando ela aprende a deixar morrer o que precisa morrer. Isso significa deixar morrer os valores e atitudes de dentro da psique que não mais sustentam. Os que devem ser examinados com especial atenção são aqueles dogmas há muito aceitos que tornam a vida segura demais, que superprotegem, que fazem a mulher andar com passinhos rápidos em vez de com longas passadas.
A época durante a qual a “mãe positiva” da infância tem sua força reduzida — e na qual suas atitudes também desaparecem — é sempre ocasião para um importante aprendizado. Embora haja um período nas nossas vidas no qual permanecemos acertadamente próximas à mãe protetora (por exemplo, quando ainda somos
crianças mesmo, quando de uma recuperação de uma doença ou de um trauma espiritual ou psicológico, ou ainda quando nossa vida corre perigo e o fato de ficar quieta nos manterá a salvo), e embora mantenhamos um vasto estoque de sua ajuda para toda a vida, também chega a hora de mudar de mãe, por assim dizer.
Se ficarmos mais tempo do que o normal com a mãe protetora dentro da nossa psique, vamos nos descobrir impedindo todos os desafios de nos atingirem, o que prejudica o desenvolvimento futuro. Embora eu não esteja de modo algum querendo dizer que uma mulher deva mergulhar numa situação violenta ou torturante, quero dizer, sim, que ela deve fixar para si mesma alguma coisa na vida que ela se disponha a alcançar e, portanto, a assumir riscos para conseguir. E através desse processo que ela aguça seus poderes intuitivos.

Entre os lobos, quando a mãe loba amamenta sua ninhada, ela e eles passam muito tempo na ociosidade. Todos ficam jogados uns sobre os outros numa grande pilha de filhotes. O mundo exterior e o mundo dos desafios estão muito distantes. No entanto, quando a mãe loba afinal ensina os filhotes a caçar e a procurar alimento, ela lhes mostra os dentes a maior parte do tempo; ela os morde exigindo que eles não desistam; ela os empurra se eles não se dispõem a fazer o que ela quer.
E assim, é com o objetivo de atingir um desenvolvimento maior que trocamos a protetora mãe interior, que era tão adequada a nós quando éramos menores, por um outro tipo de mãe, a que vive ainda mais embrenhada nos ermos psíquicos, a que é tanto acompanhante quanto mestra. Ela é uma mãe amorosa, porém enérgica e exigente.
A maioria de nós não quer deixar que a mãe-boa-demais morra só porque chegou sua hora. Embora essa mãe-boa-demais possa não permitir que nossas energias mais intensas venham à tona, é tão bom ficar com ela, tão gostoso, para que ir embora?

Com freqüência, ouvimos vozes interiores que nos estimulam a recuar, a permanecer na segurança.

Essas vozes dizem frases como as que  se seguem, “Ora, não diga  isso”, “Você não pode fazer  isso”, “É, você sem dúvida não é filha (amiga, colega) minha, se age assim”, “Tudo é perigoso lá fora”, “Quem sabe o que será de você se insistir em sair desse ninho quentinho” ou “Você só vai se humilhar, sabia?” ou ainda, a sugestão mais insidiosa, “Finja que está se arriscando, mas em segredo continue aqui comigo”.
Todas essas são vozes da mãe-boa-demais assustada e bastante desesperada dentro da psique. Ela não tem como agir de outro modo; ela é o que é. No entanto, se nos fundirmos com a mãe-boa-demais por muito tempo, nossa vida e nossos talentos expressivos recuam para a sombra, e nós definhamos em vez de nos fortalecermos.
E o que é pior, o que ocorre quando se reprime uma energia intensa sem permitir que ela tenha nenhuma vida? Como a panela de mingau mágico nas mãos erradas, ela cresce, cresce e cresce até explodir, derramando tudo o que tinha de bom no chão. Devemos, portanto, ser capazes de ver que, para que a psique intuitiva se fortaleça, a doce protetora precisa ceder seu lugar. Ou, talvez com maior fidelidade à realidade, nós acabemos nos descobrindo expulsas daquele colóquio agradável e aconchegante, não por termos planejado que isso acontecesse, nem por estarmos inteiramente prontas — ninguém jamais está inteiramente pronto  — mas porque há algo à nossa espera no início do bosque, e o nosso destino é ir ao seu encontro.
Guillaume Apollinaire escreveu: “Nós os conduzimos até a borda e pedimos que voassem. Eles não arredaram pé. Voem, dissemos. Eles não se mexeram. Nós os empurramos para o abismo. E eles voaram.”
É típico que as mulheres tenham medo de deixar morrer a vida confortável demais, segura demais. Às vezes a mulher se deliciou com a proteção da mãe-boa-demais, e por isso deseja continuar ad infïnitum. Ela precisa estar disposta a sentir alguma ansiedade ocasional, ou então seria melhor que permanecesse no ninho.
Pode ocorrer que uma mulher tenha medo de não ter segurança ou certeza mesmo por um curto período de tempo. Ela apresenta desculpas em quantidade maior do que a dos pêlos de um cachorro. Ela só precisa mergulhar e ficar sem saber o que vem depois. É a única atitude que irá recuperar sua natureza intuitiva. Às vezes, a mulher está tão enredada sendo a mãe-boa-demais de outros adultos que eles se grudaram às suas  tetas e não pretendem deixar que ela os abandone. Nesse caso, a mulher tem de afastá-los a coices e continuar assim mesmo.
Como a psique sonhadora procura compensar aquilo que o ego não quer ou não pode reconhecer, entre  outras coisas, os sonhos da mulher durante uma luta dessas serão compensatoriamente cheios de perseguições, becos sem saída, automóveis que não pegam, gravidezes interrompidas e outros símbolos de que a vida não prossegue. Nas suas entranhas, a mulher sabe  que existe um toque de morte ao insistir em ser aquela pessoa boa demais por muito tempo.
Portanto, o primeiro passo consiste em afrouxar nossa dependência do refulgente arquétipo da mãe-boa-demais-e-sempre-gentil da nossa psique. Largamos a teta e estamos aprendendo a caçar. Há uma mãe selvagem à espera para nos ensinar. Nesse meio-tempo, a segunda tarefa consiste em depender da boneca enquanto aprendemos sua utilização.

Mulheres Que Correm Com Lobos, de Clarissa Estés.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s